Partilhar

Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético

Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético

A epilepsia é uma patologia de caráter hereditário que costuma apresentar os primeiros ataques entre os seis meses de idade e os cinco anos. Identificamos que nosso cachorro sofre desta doença, principalmente, pelas convulsões acompanhadas da rigidez das extremidades, movimentos em forma de pedaladas, salivação abundante e perda da consciência, entre outros sintomas. Seu cachorro tem epilepsia e você quer saber como deve agir? Continue lendo este artigo de umComo e descubra o que fazer se seu cachorro tiver um ataque epilético.

Também lhe pode interessar: Causas da epilepsia em cães
Passos a seguir:
1

A epilepsia é uma doença que deve ser diagnosticada pelo veterinário, por isso, se você desconfia que seu cão teve um ataque epiléptico deve levá-lo a um especialista para que ele confirme ou não se isto é correto e avalie a necessidade de iniciar um tratamento. A epilepsia é uma patologia que não tem cura, mas sim um tratamento médico que reduz o número de crises e a intensidade das mesmas. No entanto, este tipo de fármacos só é administrado àqueles cães que tendem a sofrer de ataques epilépticos com muita frequência, já que poderia apresentar efeitos secundários.

2

Na maioria das vezes os ataques são repentinos, mas, em algumas ocasiões, podemos perceber sinais que nos indicam que nosso cão está a ponto de sofrer uma crise epiléptica. O aviso principal é o nervosismo. Alguns cães segundos antes de ter o ataque epiléptico mostram-se inquietos e muito nervosos, de modo que você deverá ficar alerta e preparar-se para agir.

3

Tanto se você notar que seu cão está a ponto de sofrer um ataque como se tiver acabado de começar, a primeira coisa que você deve fazer é manter a calma. Os cães têm a capacidade de sentir nossas emoções e assumi-las, de modo que se ele notar que você está nervoso vai ficar mais nervoso ainda do que já está.

4

Depois, é muito importante deitar o cão sobre uma superfície acolchoada para que ele esteja mais cômodo e consiga relaxar. O ideal é colocar a almofada ou colchão que você utilizar no chão para evitar uma possível queda. Se as convulsões forem muito fortes você deverá segurá-lo sem exercer pressão para que ele permaneça deitado.

5

É fundamental não tentar puxar a língua do seu cão se ele tiver um ataque epiléptico. Não se preocupe com ele se afogar porque isto não acontecerá, pelo contrário, se você tentar puxá-la é provável que ele acabe mordendo-a de forma inconsciente.

6

Para os cães epilépticos que sofrem de ataques muito intensos e frequentes, o veterinário pode receitar, além do tratamento preventivo, um relaxante muscular que deverá ser aplicado durante a crise. Este relaxante é administrado por via retal e os próprios donos podem fazê-lo, seguindo as instruções dadas pelo veterinário. O ideal é aplicar a medicação quando você deitar o cão no chão. Lembre-se que você deve parecer calmo a todo o momento. Uma vez administrado o medicamento, o ataque regredirá rapidamente.

7

Depois de finalizado o ataque, o cão costuma ficar desorientado e muito cansado, por isso você deverá deixá-lo recuperar-se. Para isso, deixe-o deitado sobre a superfície acolchoada se ele se sentir cômodo, na cama dele ou onde você achar que ele pode ficar mais tranquilo e relaxado.

8

Ainda que os ataques epilépticos sejam muito impressionantes e costumem assustar os donos, você deve ter em conta que raramente acabam com a vida do cão e não apresentam nenhum tipo de efeito secundário. Uma vez passada a crise, o cão pode ter a mesma qualidade de vida que um cão que não sofra de epilepsia. Só os casos mais graves deverão seguir um tratamento médico pelo resto da vida.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético, recomendamos que entre na nossa categoria de Animais de estimação.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
2 comentários
Clea Ethier
Nossa cadela labrador de dois anos estava saudável e linda, e por ser fujona dois cachorros de rua cruzaram com ela. Nossa Veterinária acompanhou e marcou cirurgia para retirar as trompas. Dias após a cirurgia Daisy começou a ter ataques epilépticos , recusar comida, prostrada e triste - chegou a morder alguém. Perdeu 7 kilos, tem muita sede e os exames constou alteração no fígado. Esta sendo medicada, mas ela parece deprimida, a veterinária baixou a medicação e as crises voltaram. Ela rosna e assusta meus empregados. Ajude-me por favor!!
Luana
Meu cachorro, teve todos esses sintomas de um ataque epilético, mas não o levei no veterinário, pois não estamos em condições, queria uma ajuda pra pode salvar meu cachorro, ele não ouve a gente e parece que perdeu a visão, cai no chão sem forças, tem uns 5 anos por ai, ele caiu do nada e peço ajuda!
Redação umCOMO (Editor/a de umCOMO)
Oi Luana! Infelizmente sem ver o cachorro fica difícil de fazer um diagnóstico e de conseguir ajudar. Se você acha que ele pode estar cego, confira no nosso artigo os sintomas da perda de visão no cachorro: http://animais.umcomo.com.br/articulo/como-saber-se-meu-cachorro-esta-cego-20658.html

Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético
Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético

Voltar ao topo da página